Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela


Dourado sobre azul

Charretes no Parque Itzamná, com o lusco-fusco a apoderar-se de Izamal.

Dourado sobre azul II

Condutores de charretes conversam no Parque Itzamná, com o lusco-fusco a apoderar-se de Izamal.

A vida do parque

Ciclista contorna o Parque Itzamná, uma das várias praças verdejantes da cidade.

Que haja Sol II

Trabalhadores levam a cabo uma distribuição de cerveja Sol, na esquina das Calle 31 e 28A.

Que haja Sol

Francisco exibe uma garrafa de Sol, a cerveja mexicana de que então abastecia o a sua mercearia na esquina das Calle 31 e 28A.

Moda equina

Um dos cavalos que puxam as calesas que conduzem visitantes por Izamal.

Catolicismo amarelado

A entrada da igreja da Purísima Concepción destacada entre as arcadas do antigo convento de San António de Pádua.

Pedestres atravessam o limiar do átrio do antigo convento de San António de Pádua

Estátua do Papa João Paulo II

Um atalho

Pedestres atravessam o limiar do átrio do antigo convento de San António de Pádua, o grande templo católico de Izamal.

Sumo-pontífice

Estátua do Papa João Paulo II, junto à entrada da igreja da Purísima Concepción. João Paulo II visitou e abençoou Izamal em Agosto de 1993.

O que sobra do passado

Grupo de visitantes sobre a ruína da velha pirâmide de Kinich Kakmo, deus do Sol maia.

Sob a arcada

Visitante à entrada da igreja da Purísima Concepcíon, 

Um Passeio solitário

Morador pedala ao longo de uma calle corrida a arcadas, sobre o pôr-do-sol.

A caminho II

Moradores de Izamal descem a rampa de ascensão ao antigo convento de San António de Pádua.

México

Bandeira mexicana paira ao vento, com o ocaso a alaranjar o céu para Oeste do Iucatão.

Até à chegada dos conquistadore espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.

Após dia e meio, a frente fria que nos perseguia e apoquentava desfaz-se sobre a Península de Iucatão. Tínhamo-la passado a explorar os arredores de Mérida, com incursões a vários cenotes, as lagoas subterrâneas abundantes nesta região oriental do México.

À segunda tentativa, a meteorologia recompõe-se. Izamal encanta-nos de vez. Quando lá chegamos de Chichen Itza, a meio da tarde, o sol que fulminava a paisagem verdejante havia-se suavizado. Luís, o condutor, justifica-se com a caloraça resistente para se furtar a nos acompanhar: “não, meus amigos, eu, aqui, já vim vezes sem conta. Não há nada que fosse agora descobrir. Divirtam-se vocês. É um lugar bonito, mas simples, não têm como se perder.”

Uma feira de rua pejada de marquesitas (pequenos negócios sobre carrinhos de empurrar), bancas mais ambiciosas de petiscos e um bailarico pitoresco animam a praça central. Famintos de tanto tempo entregues às pirâmides maias e presos ao percurso que as ligava à cidade, começamos por nos instalar num comedor sob as arcadas do Mercado Municipal Izamal Iucateca. Lá devoramos pitéus bem mexicanos: frijoles, chaya com huevos e as horchatas a que, desde que disponíveis, é raro resistirmos.

Almoçamos com vista privilegiado sobre a vaqueria que, sem que o esperássemos, se enrola e desenrola, ali ao lado, ao som das trompetes, das guitarras, dos acordeões, violinos e da voz estridente dos cantores de serviço. Uma troupe de dançarinos, eles trajados com fatos, calças e panamás brancos, elas com vestidos brancos e floridos, colares a pender do pescoço e flores a prender os cabelos, rodopia de braços erguidos ao céu, ao ritmo acelerado e estridente da música. De quando em quando, estes protagonistas interrompem a sua exibição. Então, o povo de Izamal toma conta da festa e fá-la arrastar-se sem clemência.

Terminamos o animado almuerzo. Acompanhamos o bailarico por algum tempo mais. Até que constatamos que o sol tinha descido demasiado do seu zénite tropical e nos dedicamos à missão que ali nos tinha levado: Izamal, a povoação, cidade das três culturas – maia, colonial e a actual mestiça -, uma das primeiras a ser declarada pelas autoridades mexicanas “pueblo mágico” da nação.

Só a esquina da Calle 31A com a 30 nos separava da rampa empedrada que conduzia ao antigo Convento de San António de Pádua, abrigado numa plataforma verdejante acima do âmago colonial da cidade. Passamos pela marquesita “La Bendición de Dios” e inauguramos a ascensão. Cruzamo-nos com visitantes que, alheios ao pandemónio popular abaixo, completavam os seus périplos religiosos ao templo.

O cimo da ladeira revela-nos o pórtico de entrada intrincado, destacado acima das arcadas em redor do complexo. Reparamos pela primeira vez no amarelo predominante que alegrava Izamal. Mesmo se manchado por um caos de produtos e da gente que o percorria, o mercado Mercado Municipal Izamal Iucateca era amarelo. Os edifícios térreos em volta do Parque 5 de Maio, idem. Como amarelo se revelou todo o exterior do convento.

Entramos no jogo de sombras criado pelo ocaso iminente e cruzamos o pórtico. Do lado de lá, um relvado viçoso tão amplo como o de alguns campos de futebol preenchia o átrio rectangular.

Estávamos perante um dos conventos mais antigos do hemisfério ocidental, construído, em 1561, sobre as ruínas de Pap-hol-chac; erguido aliás, com as mesmas pedras que compunham esta que foi uma das maiores pirâmides do Iucatão. Logo após a chegada e a imposição dos conquistadores hispânicos aos povos mexicanos, a destruição dos templos maias sistematizou-se.

Um dos principais responsáveis terá sido o frade Diego de Landa. De Landa desembarcou em terras de Iucatão nesse mesmo ano de 1561, incumbido pela Coroa Hispânica de converter os nativos. Conduziu a missão quase sempre à força, com métodos, por vezes brutais. Crê-se que, entre outras atrocidades, mandou queimar 27 códices e destruir milhares de ídolos dispersos pelas povoações maias. Graças à sua intolerância, só três manuscritos maias subsistem, e contra a vontade do frade que não suportava a ideia de muitos dos recém-convertidos continuarem a praticar ritos da sua antiga religião, fundidos com a crença e os rituais do catolicismo.

Reza a história que o proselitismo de Landa era de tal forma cruel que, quando chegou aos ouvidos dos mestres da Inquisição Espanhola, estes se chocaram e chamaram Landa de volta à metrópole. Subsistem dúvidas quanto à reacção do frade à descompostura que recebeu. Certos historiadores afirmam que se terá arrependido e que se lembrou de compensar o seu comportamento criando “Yucatan antes y despues de la Conquista”. Outros, creem que o a Inquisição o terá obrigado a escrever o livro. Seja como for, por mais contraditório que pareça, a obra escrita de Landa é, ainda hoje, uma fonte crucial de conhecimento dos Maias e da sua cultura. Muito devido à sua acção pioneira, Izamal tornou-se um importante polo católico de peregrinação, em vez de maia.

A poucos metros da entrada da nave da igreja da Purísima Concepción, um Papa João Paulo II de bronze contempla o horizonte do cimo de um pedestal que versa. “Desde Yucatan, Bendigo a los Hermanos Indígenas y a Todos los Habitantes del Continente Americano.” A multidão que acolheu e louvou o sumo-pontífice em Agosto de 1993, presta-lhe um comovente tributo cromático.

Até essa altura, como é apanágio das povoações coloniais mexicanas, as casas da cidade estavam pintadas em tons pastel. Várias eram já amarelas. Mas, há mais de um milénio que Izamal funcionava como um centro de peregrinação em que os maias veneravam Kinich Kakmo, o seu deus do Sol. Ora, boa parte dos habitantes partilham a mesma ascendência maia e falam, ainda hoje, tanto maia como castelhano.

Quando, em 1993, foram informados de que João Paulo II visitaria Izamal e lá daria missa concordaram de imediato na necessidade de embelezar da cidade. Um deles sugeriu que deveriam pintar todos os edifícios, convento incluído, da mesma cor. O amarelo pareceu, a todos, óbvio. Izamal já tinha a relação maia milenar com o Sol. O milho que alimenta a cidade e a região é amarelo, como o é a metade esquerda da bandeira do Vaticano, a nação católica de que procederia o Papa para os abençoar e prendá-los com uma estátua da Virgem Maria com uma coroa de prata.

Contornamos o átrio pelo prolongamento das suas arcadas. Até que damos com nova rampa e com a saída noroeste do complexo. Também esta conduzia a um parque, o Itzamná, tal como a cidade baptizado em honra do deus maia supremo, o regente dos céus, do dia e da noite.

Descemos a rampa. Já de volta ao plano inferior e mundano da cidade, confrontamo-nos com uma praça de charretes ali estacionadas para proporcionarem passeios pelas ruelas da cidade. Negamos as insistentes propostas dos donos e seguimos em modo pedestre de exploração.

Com a festa ainda a concentrar as atenções e animação no Parque 5 de Mayo, esta face de Izamal permanecia numa paz sedativa. Os condutores das charretes conformavam-se com o interregno e conversavam acalmados pela talassoterapia da fonte e do lago no centro da plaza. Um ou outro raro ciclista ou motociclista contornavam o parque pela sua frente. E uma camioneta de distribuição da Coca-Cola, desafiava o amarelo predominante com a arrogância do seu vermelho capitalista.

Sem que os esperássemos, malgrado o apelo cromático quase sanguinário do camião e do “Disfrútala” destacado a branco sobre a traseira, é uma outra bebida, 100% mexicana, que acaba por nos atrair.

Atravessamos o parque. A sua aresta noroeste faz confrontar as Calles 31A e 28. Ali, o proprietário do café e mercearia que ocupava o meio da bifurcação reabastecia o estabelecimento para os dias vindouros servido por uma pick up carregada de caixotes de cerveja Sol. Uma placa rendilhada anunciava “Prohibido o Consumo de Bebidas Alcohólicas em la Via Publica”. De acordo, aos poucos, Francisco e alguns auxiliares descarregavam-nas para o interior do negócio onde, a salvo dos caprichosos agentes da lei, lhe trariam bom lucro. Naquele peculiar cenário pós-colonial amarelo, a descarga exibia uma forte fotogenia publicitária. Sem termos como lhe resistirmos, metemos conversa com o grupo de homens e dispomo-nos a fotografar a cena até que os actores se mostrassem saturados da intrusão.

As luzes dos velhos candeeiros acendem-se e anunciam a entrada em palco do lusco-fusco. A iluminação nos muros e sob as arcadas conferiam ao velho convento um visual holográfico, como se fosse, a qualquer momento, levitar para a abóbada celeste.

Regressamos ao Parque de 5 Mayo. Por aqueles lados, a vaqueria tinha terminado, mas o bailarico saíra reforçado por dezenas de jovens recém-chegados e sedentos de diversão. Há muito que Luís nos aguardava, ansioso pelo fim da já longa jorna e pelo descanso no seu lar doce lar.

Antes de a ele regressarmos, subimos a rampa do convento uma derradeira vez para contemplarmos o panorama em redor. Descortinamos, ao longe, uma pequena multidão sobre os 34 metros do que restava da pirâmide Kinich Kakmo, do deus do Sol

O grande astro preparava-se para mergulhar nas profundezas da mitologia e da Terra. Estava hora de recolhermos ao refúgio nocturno merideño que nos calhara.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.

Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.

Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.

Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Apocalipse teimou em não chegar. Na Mesoamérica, os maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.

Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Doca gelada
Aventura

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Dragão Humano
Cerimónias e Festividades

São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Moon Festival californiano.

De novo na ribalta
Cidades

Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.

Ilha menor
Comida

Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.

Cultura
Espectáculos

A Terra em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Erika Mae
Em Viagem

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Pequeno navegador
Étnico

Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2a Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Trio das alturas
História

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Pesca no Paraíso
Ilhas

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Aurora fria II
Inverno Branco
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Uma Busca solitária
Natureza

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Glaciar Meares
Parques Naturais

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

Oeste Dourado
Património Mundial Unesco

Khiva, Usbequistão

A Fortaleza da Rota da Seda que os Soviéticos Aveludaram

Nos anos 80, dirigentes soviéticos renovaram Khiva numa versão amaciada que, em 1990, a UNESCO declarou património Mundial. A URSS desintegrou-se no ano seguinte. Khiva preservou o seu novo lustro.

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Tambores e tatoos
Praia

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Glamour vs Fé
Religião

Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Noite Pachinko
Sociedade

Tóquio, Japão

O Vídeo-Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.