Ilhas Salomão


Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2a Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.

Gizo, Ilhas Salomão
Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi
Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
Pequeno navegador

Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2a Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.

Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.

Mapa


Dinheiro e Custos


A moeda das Ilhas Salomão é o dólar das Ilhas Salomão (SBD). À data de criação deste texto, existiam ATM's e eram possíveis levantamentos internacionais apenas em Honiara. Pagamentos com cartões de crédito são raros ou inexistentes muito devido à precaridade do sistema de comunicações electrónicas do país. 

ALOJAMENTO

A rede de alojamento das Ilhas Salomão ainda recupera da instabilidade que assolou o país de 1998 a 2006. Empresários australianos e neozelandeses mantêm pequenos resorts a funcionar nos pontos mais turísticos mas só Honiara, Gizo e Munda têm hotéis, resorts  ou lodges aceitáveis se tidos em conta padrões internacionais. 

Alguns hotéis e resorts aceitam dólares australianos e pagamentos com cartão de crédito. Os mais elegantes e acolhedores têm restaurantes, bares e oferecem WiFi, com diárias que vão dos 45€ aos 150€ por quarto duplo. As diárias de vários lodges e guest-houses, por comparação espartanos, sem ar condicionado e casa de banho partilhada ficam-se em redor dos 20€.

ALIMENTAÇÃO

Qualquer refeição tradicional das Ilhas Salomão envolve os principais ingredientes à disposição no arquipélago: peixe, frango, porco, coco, batata doce e taro (tubérculo abundante na maior parte do Pacífico do Sul). Nos poucos restaurantes usados pelos locais e mercados de rua, as refeições têm preços muito acessíveis, invariavelmente menos de 5€ por prato ou até mesmo por refeição completa. 

Os restaurantes dos melhores hotéis, resorts e lodges também oferecem refeições com inspiração ocidental a preços muito superiores – 10 a 25€ por pessoa, por refeição ainda assim, muito em conta se tivermos em conta, por exemplo, o que é praticado pelos melhores alojamentos da vizinha Nova Caledónia ou da Polinésia Francesa.

INTERNET

Salvo alterações drásticas de última hora vai encontrar Internet instável, lenta e dispendiosa até mesmo em Honiara, Gizo, Auki e Munda, fornecida pela Solomon Telekom e acessível através de cartões com códigos que têm diversos custos consoante o tempo de navegação adquirido, como pode verificar em Internet Solomon Telekom. Honiara tem alguns cybercafés mas a Internet pode perfeitamente não funcionar durante largos períodos caso haja falha no abastecimento de electricidade das ilhas ou outros problemas técnicos. Se viajar com smart phone, tablet ou computador portátil poderá adquirir um cartão SIM das operadoras Our Telekom ou Be Mobile.

Como ir


VISTOS E OUTROS PROCEDIMENTOS

Cidadãos portugueses e brasileiros podem entrar nas Ilhas Salomão sem visto desde que apresentem um bilhete de avião que comprova a saída do país dentro de 60 dias bem como visto ou documentação relevante que comprove o direito de entrar no país de regresso ou outro.

CUIDADOS DE SAÚDE E DE SEGURANÇA

Oficialmente, salvo se provenha de um país com risco de contágio de febre amarela, as autoridades não exigem qualquer comprovativo de vacina. 

São aconselháveis as vacinas para a hepatite A e febre tifoide. Para mais informações sobre saúde em viagem, consulte o Portal da Saúde do Ministério da Saúde e Clínica de Medicina Tropical e do Viajante. Em FitForTravel encontra conselhos de saúde e prevenção de doenças específicas de cada país (em língua inglesa).

O país é um dos arquipélagos do Pacífico com maior risco de contracção de malária (várias variantes entre as quais a falciparum, uma das mais preocupantes) e pela febre de Dengue. Cumpra o tratamento de prevenção antes, durante e depois da possível exposição aos mosquitos. Possivelmente mais importante, se visitar zonas de risco, vista roupa leve que lhe cubra os braços, pernas e pés, use repelente e/ou espirais anti-mosquito e, durante a noite, rede mosquiteira. Recomenda-se que marque uma consulta do viajante e que faça medicação para malária nos prazos correctos antes de viajar para as Ilhas Salomão. 

Outros Cuidados

Crocodilos de água salgada sulcam o mar, estuários e até leitos rios em diversas regiões das ilhas Salomão, especialmente nas ilhas do oeste do arquipélago. 

Certas zonas do país – como é o caso da capital Honiara – têm tido problemas latentes e intermitentes de segurança. Ainda existe algum risco de assaltos a estrangeiros em atracções mais isoladas.  Os conflitos étnicos e sociais que afectaram as Ilhas Salomão,  entre 1998 a 2003 e, de novo, em 2006 foram sanados pela força de intervenção RAMSI mas não é de excluir o regressar da animosidade étnica.

VIAGEM PARA AS ILHAS SALOMÃO

Star Alliance voa de Lisboa para Sydney ou Auckland com a Lufthansa (tel.: 707 782 782) via Frankfurt e Singapura a partir de €800. Entre as companhias que voam da Austrália (Brisbane), Papua Nova Guiné (Port Moresby), Vanuatu (Port Vila) e Ilhas Fiji para as Ilhas Salomão contam-se a Fiji Airways, a Virgin Australia, a Solomon Airlines e a Air Niugini. Os voos de ida e volta destes países para Honiara, a capital das Ilhas Salomão, custam a partir de 200€.

A não perder


  • Ilha de Malaita: Auki, Lagoa Langa Langa e Malu'u
  • Ilha de Tetepare
  • ​Lagoa de Roviana
  • Ilha de Ghizo e o seu vulcão Kolombangara
  • Ilha de Lola
  • Lago Te N'ggano, o maior lago do Pacíficio insular
  • Vestígios, lugares históricos e monumentos da 2ª Guerra Mundial
  • Mergulho em redor de Ghizo ou Munda

Explorar


VOOS INTERNOS

Para viajar entre ilhas, vai sempre ter que voar com a Solomon Airlines. Os preços de cada trajecto são relativamente elevados. Por norma, as únicas ilhas com voos diários são Ghizo e Munda.

ALUGUER DE VIATURA

Rent-a-cars podem ou não operar no momento em que visitar o país dependendo da estabilidade politíco-social e da viabilidade económica (leia-se afluência de turistas) do negócio desse momento. Existem cerca de 1300 km de estradas quase sempre miseráveis em todo o país. Se ainda assim decidir alugar uma viatura, opte pela mais resistente e fiável que conseguir encontrar.

TRANSPORTES PÚBLICOS

Mini-buses percorrem as ruas de Honiara e arredores e passam com frequência. São seguros e baratos, cerca de 0.30€ por trajecto. Fora de Honiara, os transportes disponíveis resumem-se a embarcações, carrinhas ou camiões de proprietários privados e com serviços que podem ser irregulares e pouco fiáveis. 

Só existem táxis em Honiara, Gizo e Auki (Malaita). Não têm taxímetros pelo que negoceie bem o preço antes da viagem.

BARCO

Os ferries, lanchas e outros tipos de embarcação são o meio mais popular de deslocação entre as muitas ilhas habitadas que compõem as Ilhas Salomão. Bastante mais económicas que os voos, estas viagens podem ser tão demoradas como panorâmicas. Salvo alterações mais recentes, entre os ferries populares contam-se o 360 Discovery, o Pelican Express, o Channela e o Auki Ferry, todos com rotas entre as principais ilhas que podem mudar com frequência. Uma das rotas com ligações frequentes liga Honiara (ilha de Guadalcanal)  a Gizo, a principal povoação da ilha de Ghizo. Cada trajecto pode custar de 40€ a 70€ consoante as condições em que viajar. Alguns dos ferries têm óptimas condições a bordo outros nem por isso. Informe-se bem sobre as características de cada embarcação antes de viajar. O oceano em redor das Ilhas Salomão pode revelar-se pouco Pacífico em dias tempestuosos.

OUTROS

Para visitar lugares fora das cidades terá que fretar um táxi terrestre (25€ a 80€ por dia) ou marítimo (dinghies custam 60 a 120€ por dia). Em alternativa, verifique na Internet que agências de tours o podem levar a conhecer os lugares que tem em mente.

Quando ir


O clima das Salomão é húmido e quente durante todo o ano, com temperaturas médias a rondar os 24, 25º.  Chove mais de Novembro a Abril, a altura em que os ciclones também são mais prováveis.

Tendo em conta a imprevisibilidade do clima desta zona do Mundo, a melhor altura para visitar vai de Julho a fim de Setembro, durante o Inverno do Pacífico do Sul quando a temperatura e a humidade são menos elevadas e a pluviosidade diminui em frequência, intensidade e duração.